Amazônia Passa Aqui

Mexa o corpo e deixe a Amazônia te atravessar!

Um Manifesto Amazônia Passa Aqui

As grandes cidades brasileiras crescem com um horizonte bem parecido: o caos

Olhar para fora mostra experiências inspiradoras que muitas vezes não se aplicam à nossa realidade e olhar para dentro mexe em feridas urbanas que quase sempre fingimos não existir. 

O resultado tem sido a reprodução em série de cidades que demandam cada vez mais recursos naturais, são carrodependentes, violentas, insustentáveis e baseadas em injustiças sociais e ambientais. Diante das mudanças climáticas e do aquecimento vertiginoso do planeta – potencializados pelo nosso estilo de vida – não temos encontrado ferramentas como sociedade para enfrentar o maior desafio da nossa geração

Jogamos para debaixo do tapete as emergências climáticas, deixando para depois e esperando algum milagre da tecnologia que, sabemos, não virá

Se falar de futuro pode causar uma série de ansiedades em muitos de nós, aprendemos com o conhecimento indígena que “o futuro é ancestral” e que tudo está intimamente conectado no único tempo: O AGORA

Foi mexendo o corpo e respirando fundo que o movimento Amazônia Passa Aqui proporcionou a conexão com o presente

Pedalamos e caminhamos por circuitos urbanos construídos nas 7 capitais das regiões sul e sudeste: Vitória, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba, Florianópolis e Porto Alegre. E, apesar da pouca infraestrutura cicloviária nessas cidades, sentimos o gostinho da importância e influência da maior floresta tropical do mundo para nós, que vivemos aqui. 

Além de conhecer mais e apreciar os rios voadores que transportam vapor d’água pelos céus, direto da Amazônia pra cá, vimos e aprendemos muito com exposições e cinema de temática indígena, poesia, música, arte urbana e culinária tradicional. 

Também conhecemos aldeias em contexto urbano, apoiamos movimentos de estudantes indígenas, participamos de manifestações em defesa de seus povos, promovemos rodas de conversa, graffitis, aprendemos sobre rituais xamânicos, fizemos mutirões agroecológicos e saímos em expedição – a pé, de bicicleta, patins e patinete – na busca pelo respiro em meio ao caos. 

Colocamos nossos corpos nas ruas em busca do tesouro chamado eu-natureza e somamos na luta em defesa da floresta.

Olhar e sentir de perto a resistência da biodiversidade das grandes cidades nos inspira a lutar pela nossa vida, mesmo diante da tristeza de ver rios poluídos e sufocados, descaso com as poucas áreas verdes, com a Mata Atlântica, mas ainda assim conseguir encontrar alegrias, afeto e beleza que nos colocam questionamentos sobre a história de desenvolvimento urbano e progresso que nos são contadas.

Se somos uma região que é potência agroecológica – e não um grande deserto – é também graças aos serviços oferecidos pela floresta em pé

Os representantes do próximo ciclo político precisam ter coragem de enfrentar os saqueadores da Floresta e colocar a proteção dos biomas no centro das políticas de desenvolvimento do país. 

Só haverá futuro para nossa espécie com a Amazônia de pé, ouro no solo e os povos tradicionais e indígenas vivos e protegidos por políticas públicas eficientes. 

O que acontece na Amazônia não fica só na Amazônia, afeta todos e todas nós!  

Sinta como a presença da floresta se revelou nesta edição do projeto ‘Amazônia Passa Aqui’:

  • Em Vitória

O Manguezal de Vitória sedia o circuito Guanaanira. Uma cidade que espreme gente entre máquinas à gasolina e, para nos salvar dela mesma, oferece máscaras de oxigênio com minério. Pedalamos e caminhamos sob a proteção do Mangue – um ecossistema doce e salgado, que abriga espécies ameaçadas de extinção – seguimos seu curso abraçando os mais variados tipos de verdes e marrons. Com a maré baixa, chegamos mais perto ainda de sua essência, empurrando nossas bicicletas por poucos metros sobre esse “solo-não-solo”, com atenção e respeito. O Rio Santa Maria de Vitória é a extensão do Mangue, essa água é o quintal de muita gente, mas a infraestrutura da cidade parece insistir em ficar de costas.

  • Em Belo Horizonte

Pedalar na capital mineira nos faz notar o tanto que a vida dentro de um carro nos impede de olhar pra cima, pros lados e pro chão. No Circuito Pontos Verdes e Arte Urbana podemos perceber que em cada cantinho há uma obra de arte ou planta tentando sobreviver ao caos que é a cidade grande. E quando a gente, na mobilidade ativa, tem essa sacada, começa a achar prazeroso não estar correndo pra ir pro trabalho ou pra casa. Perceber outros modos de se viver a cidade e que não é preciso ir muito longe, mas que aqui do lado pode ter algo que você nunca viu antes. É como, no meio da Andradas, ver a atitude de uma única pessoa, que com a sua bicicleta e companhia de seu cachorro, pode produzir organicamente alimento para muitas famílias.

  • No Rio de Janeiro

O circuito do Rio contorna a Baía de Guanabara e, apesar de estar numa cidade com diversos cartões postais, vai atrás do que não é óbvio, o que está escondido entre prédios e vielas. A pé e de bike é possível ver o meio ambiente florescendo entre as  rachaduras do asfalto. Está nos grafites, nos nomes dos bairros, no replantio de um Baobá ou ainda nos murais de azulejos que trazem os direitos humanos. Mesmo em uma grande cidade, é possível descobrir caminhos e possibilidades, aproveitando também para questionar e refletir as histórias de mudanças sociais e urbanísticas, os processos de revitalização do centro e seus impactos para o meio ambiente. Além de conhecer e apoiar a Aldeia Marakanã, que resiste em uma das regiões mais populosas da capital. 

  • Em São Paulo

Numa cidade marcada pelo excesso de concreto e pela falta do verde, nossos circuitos convidam para um olhar mais atencioso. Seguimos o curso de rios aterrados, ouvimos o som de nascentes canalizadas e também plantamos algumas árvores. Contemplamos arte dentro do museu e muita arte do lado de fora, nas empenas, muros e travessas da nossa selva de pedra. Saímos do centro, chegamos a poucos passos do Rio Tietê e recarregamos as energias com alimentos produzidos numa agrofloresta urbana. Apresentamos uma São Paulo até então desconhecida para muitos, conectando a cidade e nós mesmos à Amazônia.

  • Em Curitiba:

Curitiba, uma das maiores cidades do Brasil com nome indígena (kur yt yba – ‘grande quantidade de pinheiros, pinheiral’) e onde apenas 1% da população é indígena. Aqui também resiste a primeira aldeia em contexto urbano do Brasil, no Campo do Santana, a aldeia Kakané Porã. A imersão nesta jornada pulsa urgência e articulação, e partimos para rotas da capital paranaense em curso com rios abertos e canalizados, saindo de uma praça criada coletivamente, a  Praça de Bolso de Ciclistas, que é uma conquista viva do movimento cicloativista, para enfim chegarmos numa Curitiba mais verde que se revela nas conexões humanas e pelas frestas do asfalto na rota “Rio Belém & A Ciclovia Mais Bonita da Cidade”.

  • Em Florianópolis

No Circuito “Era mar, mas virou asfalto”, como o próprio nome já diz, no lugar de natureza vimos aterros, asfalto e muitos carros. A ciclovia da Avenida Hercílio Luz, por onde iniciamos a expedição, foi construída sobre o Rio da Bulha. Uma das principais tarefas é parar e pensar onde estamos, ouvir as memórias de quem conheceu como era e como está agora, o que havia antes e o distanciamento do mar e do rio que vivemos atualmente. 

Um dos pontos altos é parar também para observar a floresta central, uma pequena porém notável área verde em regeneração que emoldura uma parte do centro da cidade e torna nosso microclima mais agradável. 

Outro ponto de reflexão é a situação vulnerável dos indígenas em Florianópolis, que habitam uma moradia improvisada num terminal de ônibus desativado. Povos de diversas etnias que tradicionalmente vêm à capital para vender seu artesanato, vivem ali precariamente em barracas e abrigos de lona.

  • Em Porto Alegre  

O circuito “Arroios e Quilombos” mostra que Porto Alegre é um local com alguns “segredos” ambientais, geográficos e sociais. Representando um rio que corre da nascente à foz, essa pedalada passa pelo principal rio da cidade, o arroio Dilúvio, canalizado e poluído, mas apresenta também outros cursos d’água, ora nomeados, ora “invisíveis”, que compõem a capital gaúcha, como o Arroio da Areia, e o som do curso de um rio que passa sob uma praça arborizada. 
Também exalta e celebra os lugares invisibilizados pelo racismo e pela pressão da especulação imobiliária, de histórica resistência negra e indígena: o quilombo da família Silva, a vila Planetário, o bairro Ilhota, o Odomodê e o Centro de Referência Indígena-Afro. É um circuito que traz à luz uma cidade que tem uma natureza feita de água, de parques, de árvores frutíferas, mas principalmente de cultura e de gente.

EQUIPE AMAZÔNIA PASSA AQUI

Institucional

Aline Cavalcante
Brunno Carvalho
Felipe Sá
Guilherme Campbell
Vitória Holz

Equipes locais

Vitória/ES: Daniela Rodrigues e Hudson Lupi
Belo Horizonte/MG: Maria Mourão e Ana Coan
Rio de Janeiro/RJ: Vivian Garelli e Flávio Rocha
São Paulo/SP: Yuri Vasquez e Alessandra Albuquerque
Curitiba/PR: Patrícia Valverde, Doug Oliveira, Priscila Maris e Dalila Lapuse
Florianópolis/SC: Naiara Lima e Barbara Pettres
Porto Alegre/RS: Tássia Furtado e Lívia Araújo

Comunicação e Design

André Teixeira
Gabriel Bonamichi

Produção Audiovisual

Edição: Monomito Filmes
Efeitos especiais: André Teixeira
Captação de áudio: João Limeira (Canil Estúdio)
Locução: Aline Cavalcante

Créditos – Imagens

Vitória/ES

Clarice Santiago
Daniela Rodrigues
Dudu Cardoso
Hudson Lupi
Ione Reis
Laurin Skate
Luiz Gabler
Luzia Lupes
Patrick Ericson
Raimundo Carvalho
Yasmin Rodrighes

Belo Horizonte/MG

Ana Coan
Carlos Hauck
Gabriela Monteiro
Lucas de Pinho
Maria Mourão
Nádia Nicolau
Thales Ramonielli
Thalles Tramon

Rio de Janeiro/RJ

Cléo Syllva
Flávio Rocha
João Victor Ramirez
Leandro Santos
Lorena Zschaber
Tendo Santos
Vivian Garelli

São Paulo/SP

Alessandra Albuquerque
Monomito Filmes
Yuri Vasquez

Curitiba/PR

Chico Paes
Doug Oliveira
Fernando Rosenbaum
Luiz Augusto Simino
Patrícia Valverde

Florianópolis/SC

Barbara Pettres
Daniel Guillamet
Eduardo Lopes
Luciano Trevisol
Naiara Lima
Vinícius Leyser

Porto Alegre/RS

Gerson Weisheimer
Josemar Afrovulto
Lívia Araújo
Tássia Furtado

Tradução: Stephanie Casa

Preencha seus dados abaixo e tenha acesso aos arquivos para downloads.